Monumento ao desconhecido

Durante quase duas décadas vivi perto de um dos monumentos ao soldado desconhecido mais importante do país e assisti inúmeras vezes o render dos soldados que o vigiam ininterruptamente, pelo menos assim me parecia, e sempre me intrigou o porquê de tanto esforço humano.
Soldados estátuas sem expressarem qualquer emotividade, contidos num exercício de plena solidão e encenação. É talvez esta encenação que menos compreendo, porque razão um tributo aos soldados desaparecidos pressupõe um esforço físico e mental de quem não participou nas mesmas guerras ou de quem não partilha laços genealógicos com quem está a velar.

Provavelmente o respeito que estes heróis potenciam no universo militar e a responsabilidade social sejam uma das razões para tal vigilância. Um tributo que a sociedade presta a quem morreu pela pátria tal como confirmam as palavras de Guilherme de Almeida num destes memoriais “ Viveram pouco para morrer bem, morreram jovens para viver sempre”.

Qual a relação do monumento ao soldado desconhecido com as personagens que jazem neste espaço? A primeira impressão é nada, à segunda talvez nada ainda, no entanto a noção de memória e de tributo acaba por ser um elo que partilham. O trabalho exposto não opera em contextos bélicos mas incide numa homenagem, não ao soldado mas à imagem de um Portugal.

Neste caso os heróis nacionais são personagens desconhecidas munidas de um uniforme instituído e apurado ao longo da história nacional. Uma identidade tipificada da portugalidade que cita o folclore e a etnografia que experimentamos através de simulacros e de rituais que a perpetuam. Encenações que narram um tempo ido em que Portugal se identificava pelo trajo que envergava.

Tal como no soldado desconhecido estas personagens da cultura popular estão também desprovidas de identidade individual, representam o papel que a sociedade lhes destinou, não como capitães, praças ou furriéis mas como noivas do Minho, peixeiras da Nazaré ou ceifeiras do Alentejo – uma classe e não o João ou a Maria.

Estes combatentes da identidade portuguesa carecem do seu Arco do Triunfo que os imortalize e de soldados que os vigiem. Os trabalhos expostos são somente uma hipótese para um panteão dos desconhecidos da cultura popular, ilustres sem género que envergam competentemente ornamentos e trajos representativos de um país que não existe.

Um panteão silencioso sobre a forma de estandarte em que a ilustração não opera como registo de uma época mas sim como discurso narrativo ficcionado sobre a forma de homenagem.